domingo, 9 de octubre de 2011

Sonhos




Quando crianças gostavam de brincar de bolinhas de sabão. Ela adorava inventar nomes para cada bolinha antes de soprá-la e vê-la voando pelo céu. Ele gostava mesmo era de correr atrás das bolinhas, acreditava que poderia segurá-las nas mãos em concha e levá-las de volta. Desde cedo, ele, sonhava em capturar o impossível.
Sonhava ela, que cada bolinha que voava pelo céu ia ao encontro de outra criança que em algum lugar estaria a esperar por ela para brincar. Imaginava um menino correndo atrás das bolinhas tentando pegá-las. Assim, sempre que soprava uma bolinha, fechava seus olhos e a inundava com o seu mais sincero amor.
Sonhava ele, que um dia ainda iria encontrar a criança dona das bolinhas e devolvê-las todas. Sempre que pegava uma bolinha imaginava que quem a tinha soltado era uma menina, que com os olhos fechados soprava e as deixava ir. Sem a conhecer e sem sabê-la a amava em cada uma das bolinhas que segurava.
O tempo passou, eles cresceram, outros sonhos foram sonhados, mas os sonhos de criança que de alguma maneira os uniam, não fôra esquecido. Sempre que podiam iam ao parque da cidade brincar de bolinhas de sabão.
Um dia, estava ele, tentando como sempre segurar o impossível, quando sem nenhuma explicação, conseguiu segurar em suas mãos uma bolinha, buscou com o olhar quem as estava soltando e de longe avistou uma moça com os olhos fechados, exatamente igual a menina que sonhara toda uma vida, numa imensa alegria correu até ela e muito suavemente colocou a bolinha em sua mão. Ela, surpresa, abriu os olhos e deixou cair uma lágrima de felicidade...


PS: Esse texto foi escrito a partir da poesia "No tempo da delicadeza" do escritor Carlos Eduardo Leal, segue o link de seu blog para quem quiser conferir http://veredaspulsionais.blogspot.com/

No hay comentarios:

Publicar un comentario