viernes, 2 de septiembre de 2011

Desejos








  • Percebia por sua respiração o quanto estava nervosa, ela mesma não entendia o que estava acontecendo, como chegara  a casa de um estranho por um simples anúncio e como agora desejava ardentemente o homem a sua frente.

    Na verdade, foram vários os motivos que a levaram ali, mas o principal era o medo de saber-se esquecida. Desde que veio morar em outro país sofria da angústia de não reconhecer-se mais e, a falta de reconhecimento que sentia nas pessoas a sua volta, reforçava a sua angústia. Quando menina sempre passou desapercebida, mas agora a sensação que tinha era que realmente não existia. Seu próprio esposo não a enxergava mais, a tratava como se fosse uma estranha, mas era pior do que fôra uma estranha, pois quando algo nos parece estranho temos a curiosidade de saber, seu esposo não queria saber, essa era a verdade, a impressionava o quanto ele não sabia mais dela, o quanto os seus sentimentos, seus sonhos, sua vida já não era mais nada para ele.
    Assim que, tinha uma necessidade quase vital de ser vista, ser notada, ser percebida por alguém e foi esta necessidade que a levou a casa desse estranho.
    No caminho, ia imaginando o que poderia acontecer, como um homem pôde colocar um anúncio que necessita a ajuda de uma mulher para voltar a sentir desejos, que homem tão estranho era esse? E o que lhe aconteceu para pedir ajuda dessa maneira? Seria uma brincadeira de mau gosto, ou seria verdade? E por que ela sentia-se tão atraída de conhecer esse homem, de saber de sua vida, de simplesmente vê-lo?
    Em volta em seus pensamentos não percebeu que o coletivo já chegava perto, de um susto voltou à realidade, seu coração estava em sobressaltos, pois chegara a seu destino. Era uma casa típica de classe média portenha, de dois andares, portões de ferro, uma escada na entrada. Parou diante do portão e viu que estava aberto, entrou, subiu a escada e parou diante da porta. Seu primeiro ímpeto foi voltar, esquecer tudo e seguir sua vida, mas agora já não podia, pois o que poderia acontecer ao passar aquela porta, também já era sua vida. Não conseguindo mais controlar sua emoção, tocou a campainha. Uma senhora atendeu, ela tentou explicar da melhor maneira o que veio fazer, tentando falar o melhor possível, para que a senhora não percebesse que ela era uma estrangeira, mas apesar de seu nervosismo, a senhora parecia estar acostumada a esse tipo de visitas, assim que a levou a biblioteca da casa e pediu que esperasse um momento que seu patrão já iria  recebê-la.
    Foram os cinco minutos mais longos de sua vida, imaginou como seria esse homem, que defeitos teria. Seria gordo? Magro? Calvo? Teria cabelos longos? Usaria óculos? Seria baixo, ou alto? Como seria esse homem? E o que ela diria a ele? - bom, desculpe-me, vim por seu anúncio- sorriria para ele? Demonstraria o quanto estava nervosa? Realmente não sabia o que fazer, queria ardentemente que ele chegasse e terminasse logo com essa angústia do não saber... Então, resolveu acalmar-se olhando os livros que tinha na biblioteca. Pelos livros via-se que  tratava de alguém que gostava de arte e de literatura. Bom, menos mal, seria um artista… envolta em seus pensamentos não se deu conta que alguém entrara na biblioteca, só percebeu quando escutou uma voz grave, firme e ao mesmo tempo terna cumprimentando-a:
    ·     Hola, sois Elena, no?
    ·   Sim sou – respondeu contendo o máximo possível sua emoção, pois o homem que via, não parecia nada ao que imaginava. Estava diante de um homem de uma beleza extraordinária.  De uma verdade no olhar na qual nunca tinha visto. Um olhar que pedia somente outro olhar.
    Ficaram-se olhando por um tempo, sem dizerem uma só palavra, tão presentes neste olhar que não conseguiam formular nenhum pensamento acerca do outro, apenas se olhavam.
    O olhar dessa mulher dizia tanto, tanto de si, que para ele não necessitava  nenhuma palavra para que compreendesse o porquê dela estar ali a sua frente, era diferente de todas as que já tinham tentado lhe ajudar, a verdade no seu olhar, a ânsia, quase um pedido, de ser desejada o levou a sentir emoções que acreditava esquecidas, descobriu que sentia uma necessidade urgente de possuí-la, mas desejava muito mais que seu corpo, queria tê-la por inteiro, sabia, que por um breve instante poderia quase  tocar sua alma.
    Era-lhe incompreensível como o homem a sua frente, com apenas um olhar pudera decifrar todos os seus sentimentos, sentia-se completamente desnuda, mas não conseguia em nenhum momento desviar o olhar, pois desviá-lo seria como deixar de existir, pois nestes três anos nunca ninguém a  olhou como ele a olhava agora.
    E foi assim, sem dizer uma só palavra que os dois viveram um dos momentos mais intensos de suas vidas, momento este, que seria lembrado por toda uma existência.
    Não tinham a urgência dos amantes que mal se conhecem, ao contrário, pareciam conhecer-se de toda uma vida... Ele a levou pela mão até seu quarto. A convidou para entrar. Fechou a porta. A abraçou e com muita ternura beijou seus lábios, deslizou suavemente suas mãos por suas costas e com a intimidade de quem conhece, começou a tirar-lhe a roupa, a tocar-lhe o corpo, a sentir seu cheiro e em um breve instante, que a ela pareceu uma eternidade, a levou-a a sua cama, a deitou e a mirou, mirou com um desejo nunca antes sentido, queria gravar para sempre em sua memória cada parte do corpo daquela mulher, que linda estava nua em sua cama, como a desejava... Sentia por sua respiração o quanto ela também ansiava por esse momento, tinha uma mistura de desejo e medo em seu olhar que era alucinante, necessitava urgentemente tocá-la, sentir seu corpo estremecer com suas carícias, e assim o fez, tocou-lhe o corpo querendo reter para si sua forma, sua delicadeza e quase como um delírio experimentou o prazer com todos  os sentidos possíveis a um homem, não conseguia mais distinguir o que era a realidade. Mergulhou profundamente num mundo de toques, sabores, cheiros... Experimentava um prazer jamais sentido ao dar prazer àquela mulher, era alucinante sentir seu corpo estremecer a cada carícia sua e mais alucinante ainda foi fazê-la, vê-la, senti-la chegar ao cume de seu prazer, sentir que seu corpo pedia desesperadamente o seu e senti-la experimentar o mais íntimo de sua essência de mulher ao fundir-se a ela, numa entrega  inexplicável, indizível, que só quem a viveu a consegue compreender.
    Sentir-se nos braços daquele homem era algo irreal, seu cheiro, sua presença, seu toque,  não lhe deixava outra opção, a não ser, ser mulher. A suavidade e a ternura de seu beijo a transportou a um mundo de sonhos, de prazeres que imaginava nunca mais poder vivê-los. Sentiu como que estivesse caindo em um abismo,  ao perceber que ele a desnudava, suas mãos deslizando sobre o seu corpo provocou nela um prazer que era quase uma dor, o toque de suas mãos ia além da sensualidade, era como se ele tivesse o poder de devolver a vida  cada parte do seu corpo, antes esquecida, com um simples toque. E num instante, que para ela foi a eternidade, sentiu-se mirada, como jamais algum homem ousou mirá-la, o olhar desse homem era mais que um olhar de desejo, era como se ele  tocasse sua alma. Nesse momento, em sua vida, nada mais lhe importava, a não ser, ser desse homem, dar-se a ele e a esse momento com toda a  entrega que só as mulheres conseguem.
    E em meio a um delírio, eles passaram toda uma tarde de profunda entrega. Entrega de corpos, de sonhos, de desejos, de almas... Até chegarem à exaustão de tanto amar...  entregando-se juntos a paz, a paz depois do amor, a plenitude que nos dar depois de saber-se um do outro. Assim, adormeceram, abraçados, na mais profunda entrega...
    Acordou,  como quem sai de um sonho real, olhou o homem dormido ao seu lado, acariciou-lhe os cabelos,  sabia que agora era hora de partir. Levantou-se sem fazer barulho, vestiu-se, deixou escrito para ele  fragmentos de uma poesia, que para ela, era o que de mais lindo e sincero que alguém podia escrever e que um dia na vida seu amigo poeta escrevera, e partiu.
    Um ano se passou e agora estava ela olhando pela janela do avião, com suas filhas ao lado, sentia uma imensa alegria de vida, pois sabia que ia de regresso a sua casa, a sua história, tinha muitas lembranças fortes desta cidade que deixava, mas a que mais gostava de lembrar era o seu encontro com aquele homem que nem sabia o nome,  a lembrança era tão nítida, como se tivesse acontecido ontem.
    Imersa nos seus pensamentos, voltou à realidade, quando sentiu que alguém a olhava, e este olhar o reconheceria sempre, pois foi ele quem a trouxe de volta a vida. Por alguns segundos, sentiu a mesma sensação de um ano atrás, de ser reconhecida no mais íntimo do seu ser. Era ele, sim, o homem na qual esteve, estava mais lindo, seus olhares durante segundos não conseguiram se desviar, segundos que pareceram a eternidade. Mas a realidade os trouxe de volta dos sonhos, suas filhas lhe perguntavam sobre a viagem e a mulher que estava com ele o levou pela mão ao seu assento. Experimentou novamente a angústia do não reconhecimento, queria chegar logo ao seu destino, encontrar as pessoas, abracá-las, sentir-se reconhecida.
    Ao chegar ao aeroporto de sua cidade, foi recebida exatamente como imaginava, estavam todos lá. Sua família, seus amigos, todos que um dia na sua vida fizeram parte de sua história, que a olhavam com olhos de quem conhece. E no meio do choro, da alegria, da imensidão da felicidade do encontro, sua filha maior, lhe entrega um papel, dizendo que foi um homem que estava no avião que pediu que a entregasse. No meio das lágrimas, leu algo que lhe inundou o coração de uma imensa felicidade existencial, pois dizia:
    ‘ ...Mi mirada vio la tuya, yo te vi, tu me viste, tu me haces ver, tu eres el amor... em mi corazón tu existencia me hace feliz, incluso sin que me hables y sin que sepas mi nombre voy a seguir viendote...’ *
    Reconheceu os fragmentos da poesia que um dia escreva como despedida de um encontro casual.



    * fragmentos da poesia “Tato Amarelo” de Ítalo Rovere





No hay comentarios:

Publicar un comentario